“O TOMI foi desenvolvido e criado em Portugal para ser implantado em qualquer cidade do mundo”

Por a 20 de Novembro de 2014

Vasco Perestrelo, CEO da MOP, explica as mais-valias e objectivos da nova rede TOMI, inaugurada este semana pelo Metropolitano de Lisboa, pela MOP e pela TOMIWorld.

Meios & Publicidade (M&P): Como surgiu esta parceria entre a MOP e a TOMIWorld?

Vasco Perestrelo (VP): Resultou de uma comunhão de interesses entre a MOP e a TOMIWorld. Na Mop há algum tempo que procurávamos uma forma de no out-of-home/outdoor de “aproveitar” o digital criando algo que fosse verdadeiramente relevante para as pessoas quando circulam fora de casa. Há alguns anos que procuro e contacto com muitas entidades internacionais na tentativa de encontrar algo deste género. A verdade é que nunca encontrei nada que fosse feito em função das necessidades do consumidor e aconteceu esta história engraçada de ter sido numa dessa convenções internacionais que me falaram de uma empresa portuguesa.

M&P: Como aconteceu isso?

VP: Andava pelo mundo à procura de algo que estava aqui ao lado em Viseu e estava muito mais bem feito do que tudo o que tinha visto antes. Da parte da TOMIWorld penso que também vinham já há alguns a desenvolver e a aprimorar este produto e também procuravam um parceiro que tivesse conhecimento sobre a forma como as pessoas circulam fora de casa e simultaneamente os ajudassem a instalar o produto com alguma escala em Portugal. Assim foi muito fácil estabelecer a parceria.

M&P: Qual o papel da MOP nesta parceria?

VP: Os pontos estratégicos e definição, adequação e alterações ao produto são feitas e decididas em conjunto pelas duas empresas. Operacionalmente, a gestão do equipamento e conteúdos é da TOMIWorld e a gestão e vendada publicidade é da MOP.

M&P: Em que consiste este novo formato e quais as suas mais-valias?

VP: O TOMI é uma plataforma digital interactiva de última geração criada para quem vive e visita as cidades. É um produto desenvolvido e criado em Portugal para ser implantado em qualquer cidade do mundo, e pensado para satisfazer as principais necessidades de informação que as pessoas têm – quando e onde precisam. Dotado das mais evoluídas tecnologias, o TOMI presta informações úteis seguindo um critério de proximidade, privilegiando as opções que o utilizador tem mais perto de si e em total integração com o telemóvel/smartphone. O seu conteúdo está relacionado com o tipo de necessidades e informação que as pessoas necessitam quando estão na rua: Noticias (Locais), Directório (da Cidade), Agenda e Transportes (como ir para determinado local) e um lado fun (as famosas selfies). O TOMI está pensado para que as pessoas tenham acesso a toda esta informação de forma rápida pois pressupõe que as pessoas têm pouco tempo quando andam na rua mas ao mesmo tempo está totalmente “ integrado” com o smartphone no sentido de possibilitar que todos os conteúdos que uma pessoa esteja a aceder possam “passar” para o smartphone e assim “seguirem” com a pessoa.

Vasco Perestrelo (MOP)

M&P: Que oportunidades pode representar para as marcas este formato?

VP: Pensamos que muitas. Existem três espaços publicitários de referências: um ecrã formato OOH/outdoor, um ecrã formato TV e ainda a possibilidade de sponsoring das fotos. Estes são os formatos publicitários de raiz mas com um detalhe: estão num equipamento “inteligente” e aqui é que as coisas se tornam interessantes. Pode-se aproveitar a interactividade dos ecrãs, pode-se programar os TOMIs de forma individual ou em rede, e com diferentes mensagens em diferentes horários ou locais, etc. Dou sempre o exemplo do Cannes Lions: Hoje a maioria das campanhas premiadas têm uma componente interactiva, ou de realidade virtual, ou tecnológica etc. Ora, todas essas campanhas poderiam ter aproveitado o TOMI de algum modo. Por outro lado, também toda a parte de Directório e Agenda e as suas funcionalidades permitem também a marcas poderem estar presentes de forma muito completa e diferente. Acho que o equipamento tem tantas capacidades que, como digo internamente, temos de ajudar a formatar o tipo de coisas que os anunciantes e marcas podem fazer pois as hipóteses são inúmeras.

M&P: Quais são os objectivos em termos de negócio com este novo formato?

VP: Modéstia à parte, pensamos que entramos no digital de uma forma diferente e melhor do que tenho visto pelo mundo. Por um lado, potenciamos formas de comunicação aos clientes completamente inovadoras e simultaneamente prestamos um serviço muito importante aos cidadãos e utilizadores e consequentemente, nessa medida, também às cidades e empresas onde os TOMIs estão presentes (caso do Metro de Lisboa).

M&P: Para já, está na rede de Metro de Lisboa. Quais são os objectivos de cobertura a curto e médio prazo?

VP: Estamos a analisar. Para garantir o nível de qualidade que o TOMI tem o investimento necessário é importante e por isso temos de analisar as várias oportunidades com um forte sentido de prioridade.

Deixe aqui o seu comentário