O dia em que a Samsung e a Sumol tiveram problemas nas redes sociais

Por a 10 de Janeiro de 2013

Esta quinta-feira a Samsung e a Sumol dirigiram-se aos seus seguidores nas redes sociais e pediram desculpa pelas suas iniciativas de comunicação. Ao final da tarde a Samsung tentou encerrar a polémica em torno da campanha “Desejos para 2013” com um post no Facebook. “Acompanhamos sempre de perto as opiniões de todos os que nos seguem, tendo sido partilhado desagrado em relação aos conteúdos da campanha, razão pela qual esta foi retirada do ar. Pedimos desculpa pelo sucedido. Não era nossa intenção ferir susceptibilidades e tudo faremos para corresponder às expectativas de quem nos acompanha”, podia ler-se na curta declaração. Recorde-se que os vídeos da campanha protagonizados por cinco bloguers de moda foram retirados do canal de YouTube da marca após uma má reacção nas redes sociais. A autora do blogue Fashion a Porter Pepa Xavier, com o desejo de ter uma mala Chanel preta, acabou por ser o principal motivo de chacota. A criatividade e produção dos vídeos, que têm cerca de dois minutos e meio, é da And This is Reality (do bloguer Tiago da Costa Miranda).

Insólita foi a resposta da Sumol a um comentário de um seguidor na página da marca no Facebook a propósito do despedimento colectivo de 70 trabalhadores na Sumol+Compal. “Devido ao anúncio de despedimento de 70 trabalhadores, vou considerar o não consumo de Sumol de Laranja”, escreveu o seguidor Snow Winter. “Sempre tens o ananás, o limão e o maracujá!”, respondeu a marca. Passado algum tempo, a Sumol corrigiu a resposta. “Pedimos imensas desculpas pelo comentário e pelo sucedido. Infelizmente a conjuntura actual promove este tipo de situações; prometemos providenciar o melhor serviço, com a melhor qualidade possível em vosso nome”. A gestão da página da Sumol no Facebook é assegurada pela Live Content. Curiosamente a primeira resposta da Sumol somava mais “gostos” dos utilizadores que o pedido de desculpas.

 

Um comentário

  1. Pingback: A sumol a responder ao questionário de proust, porque não?

Deixe aqui o seu comentário