M&P: Edição especial Brasil

Por a 6 de Maio de 2012

O M&P desta semana é inteiramente dedicado ao mercado brasileiro, país que, ao contrário da Europa, tem registado um crescimento assinalável e é cada vez mais encarado como uma oportunidade expansão para as empresas e profissionais portugueses.

Brasil: A mesma língua, um outro mundo

200 milhões de habitantes e o contínuo crescimento económico dos últimos anos podiam fazer do Brasil um mercado apetecível para os media nacionais. Mas será mesmo?

A diáspora dos media portugueses no Brasil

Cofina, através do gratuito Destak, e Ongoing, com a criação da Ejesa, são, por enquanto, os grupos de media que mais têm investido no mercado brasileiro.

Entrevista a Ricado Galuppo, publisher da Ejesa

O responsável pelo jornal Brasil Econômico traça o retrato do sector dos media

João Pedro Nava, director distribuição SIC, e Luís Rebola, head of marketing da Metro News Portugal/Brasil, ajudam a traçar caracterizar o mercado de media, tanto no sector da imprensa como da televisão.

Entrevista a Ricardo Monteiro, CEO da Euro RSCG Portugal, Espanha, Brasil e América Latina e vice-presidente da Euro RSCG Worldwide

O profissional português mais importante do mercado brasileiro explica as oportunidades e constrangimentos à entrada no Brasil.

Para o Brasil… Mas com os pés na terra

As empresas portuguesas procuram os mercados emergentes para fugir à crise. Mas há que ter os pés bem assentes na terra e um plano para lá do curto prazo.

Tico Moraes, sócio da NutsLocomotyva, Miguel Bacelar, director de planeamento estratégico da Publicis Red Lion de São Paulo, António Quina, fundador de A Vida é Bela, e David Seromenho, Partner da Cunha Vaz & Associados, explicam o porquê da aposta no mercado brasileiro.

Em contrapartida, Leandro Alvarez, presidente e director criativo da TBWA, Luciana Cano, directora criativa da Leo Burnett, Marcelo Lourenço, director criativo da Fuel, Mário Mandacaru, brand design creative director da Brandia Central, e Paola Maluf, produtora executiva da Albiñana Films, explicam, na primeira pessoa, porque é que apesar da crise continuam a apostar no mercado nacional.

 

 

 

Deixe aqui o seu comentário