Saltar o menu e ir para os conteúdos
Media, Media :: Noticias

Livro Bom Português – Acordo Ortográfico é hoje lançado

29 de Setembro de 2011 às 15:15:15, por Meios & Publicidade

O livro Bom Português – Acordo Ortográfico, que inclui 560 questões sobre as novas normas da Língua Portuguesa, é hoje apresentado às 18h00 na livraria Bertrand-Chiado, em Lisboa. O livro, com a chancela da Porto Editora, é uma síntese da rubrica diária do programa informativo Bom dia Portugal, na RTP 1, e aborda “quatro pontos fundamentais do novo documento que regulamenta o uso da língua”, disse à Lusa fonte editorial. Esses quatro pontos, especificou a mesma fonte, são: acentuação gráfica, queda das consoantes, uso do hífen e utilização da maiúscula e minúscula. Em formato de bolso, “para se tornar mais fácil e quotidiano o seu manuseamento”, os conteúdos do livro são garantidos pelo Departamento de Dicionários da Porto Editora, líder de mercado, e disponibiliza um glossário e um “completo guia do Acordo Ortográfico”, disse a mesma fonte.

Referindo-se aos quatro pontos fundamentais da obra que será apresentada pelos jornalistas Carla Trafaria e Luís de Castro, fonte da editora explicou que, quanto à acentuação gráfica, “há palavras que perdem o acento, como, por exemplo, joia (antes, jóia)”. No tocante à queda das consoantes, “o seu desaparecimento como nas palavras atual (antes, actual) e ótimo (antes, óptimo)”. “De sublinhar – disse – o cuidado em abordar também as falsas questões, como, por exemplo, na palavra egípcio. O facto de o ‘p’ desaparecer da palavra Egito pode levar a pensar-se que a regra se aplica a todos os vocábulos da respectiva família”.

Relativamente ao uso do hífen, “as palavras como fim de semana perdem-no, mas não as que se referem a plantas e animais como por exemplo, cana-de-açúcar”, explicou. Por último, o uso da maiúscula e minúscula: “por exemplo, os meses passam a escrever-se com minúscula”, rematou. O Grupo Porto Editora, que integra cerca de 20 chancelas, adoptou já o novo Acordo Ortográfico, respeitando no entanto a vontade dos seus autores que pretendam continuar a usar o português, segundo o anterior acordo linguístico. (Lusa)