Estudo: Três em cada quatro consumidores opta por marcas amigas do ambiente

Por a 16 de Julho de 2008

O estudo “Mudança climática: Percepção do consumidor e as suas implicações no marketing e comunicação”, realizado pela Havas Media em nove países (Espanha, EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Índia, China, Brasil e México), junto de 11 mil indivíduos, indicou que três em cada quatro consumidores optam por escolher marcas que se preocupem com causas ambientalistas e que estejam a tentar reduzir activamente o seu impacto sobre o aquecimento global.
As empresas que optam pelo marketing verde têm de transmitir mensagens claras, consistentes e transparentes, para que o consumidor não duvide da sua veracidade. É necessário adequar a mensagem ao público-alvo e mostrar um benefício directo e pessoal para o consumidor. Segundo o Marketing News, os sectores considerados mais ecológicos são a banca e os meios de comunicação, enquanto as empresas petrolíferas e os transportadores aéreos são os que menos respeitam o meio ambiente, na opinião dos consumidores. O estudo divide as marcas em quatro grupos: as marcas líderes, que convidam os consumidores a segui-las, as marcas educadoras, que ajudam o consumidor a conhecer o problema, as marcas facilitadoras, que facilitam o desempenho do consumidor e marcas contribuidoras, que partilham o esforço com o consumidor.
Os entrevistados também foram segmentados em três categorias. Os absortos, que representam 43% do total de entrevistados e que conhecem bem as causas dos problemas ambientais e temem por consequências em larga escala. Juntam o problema global às questões locais e identificam a actividade do homem como o principal causador do problema. Os atentos representam 45% e são o grupo dominante. Têm boa compreensão do papel que representa o CO2 e estão preocupados com o seu papel na origem e solução do problema. Os atentos temem ainda o efeito que as alterações climáticas possam ter nas suas vidas e nas gerações futuras. Por último, os apáticos, representantes de 12% dos entrevistados, minimizam os riscos e projectam o problema a um nível global, para poder auto-excluir-se de culpas e responsabilidades.

Deixe aqui o seu comentário