Para que serve a Super Bock Pêssego?

Por a 4 de Maio de 2007

A versão sem álcool e de pêssego da Super Bock já vendeu 500 mil litros desde o lançamento no início de Fevereiro. Conheça a estratégia que levou a estes resultados

Janeiro foi o mês de apresentação do relançamento da variedade sem álcool da Super Bock. Até aí, a marca estava presente neste segmento com a Twin. A nova estratégia passava pelo lançamento da nova gama “como resultado de um processo inovador á escala mundial, que a dotou de características únicas: são cervejas com todas as características de uma cerveja com álcool, designadamente em termos de corpo e aroma, mas sem álcool”, refere ao M&P Miguel Araújo, gestor da marca Super Bock. Além da reformulada Super Bock Sem Álcool, o portfólio passou a incluir a Sem Álcool Preta e a inédita Sem Álcool com sabor a pêssego. Dado tratar-se da primeira cerveja sem álcool mas com sabor, o responsável afirma que ajudou a conferir “uma vertente de inovação e diferenciação que elevou os níveis de notoriedade da marca e variedade acabada de lançar». A verdade é que, desde que as novas variedades chegaram ao mercado, 5 de Fevereiro, e de acordo com dados disponibilizados pela Unicer, só a variante pêssego vendeu 500 mil litros de um universo de dois milhões de vendas de Super Bock Sem Álcool. Já a pielsener sem álcool representa metade das vendas da Unicer neste segmento, enquanto a preta fica com os restantes 25%.

A «sem álcool é catalogada pelos consumidores de cerveja como cerveja com falta de sabor, pois a ausência do álcool retira-lhe um pouco da propriedade sabor. Numa cerveja com zero por cento de álcool, esse factor ainda é mais agravado. É frequente nas cervejas com zero por cento de álcool, a adição de aromas e sabores de forma a melhorá-las. Assim acontece, por exemplo, em Espanha com a San Miguel 0,0% Manzana e 0,0% Lemon Tea”, adianta Miguel Araújo, que completa: “Tínhamos alguns sabores disponíveis, mas achámos que o sabor a pêssego era o mais indicado para o lançamento sendo uma verdadeira inovação a nível ibérico”.

Esta terça arrancou mais uma fase da campanha de comunicação sem álcool. Desta vez, o tema centra-se na queima das fitas, época do calendário académico associada ao elevado consumo de cerveja. Em época de excessos, a comunicação sem álcool “não deixa de apelar á responsabilidade dos jovens nesta época”, acredita Miguel Araújo. Esta campanha representa 2,5 milhões de euros a preço de tabela. Já os anúncios protagonizados por Bruno Nogueira produzidos pela Produções Fictícias Publicidade e dedicados a temas relacionados com a actualidade, pretendem ao longo do ano, através de um “tom humorístico e irreverente”, “desmistificar a categoria de cervejas sem álcool”, completa Miguel Araújo.

Deixe aqui o seu comentário