Mestre só de nome

Por a 15 de Março de 2002

A avaliar pelos valores da primeira semana, os espectadores não se renderam ao “mestre”

A SIC parece não ter ainda encontrado a “fórmula secreta” dos reality-shows que a TVI utiliza, com sucesso, há já quase dois anos. Depois de Os Acorrentados e de O Bar da TV, a estação de Carnaxide aposta agora no Masterplan, um reality-game. No entanto, e tendo em conta os dados apresentados pela mediaedge:cia segundo o Telereport da Marktest, o programa não cativou os portugueses.

No dia de estreia — 4 de Março — o Masterplan atingiu uma audiência média de 9,7% e, entre as 20 e as 22h30, foi o quinto programa mais visto, atrás de Anjo Selvagem, Filha do Mar, Jornal Nacional (todos da TVI) e Jornal da Noite, da SIC. Em termos de perfil dos espectadores, a estreia cativou sobretudo as mulheres (56%), os habitantes do Interior (24%), a classe C2 (31%) e os indivíduos da faixa etária entre os 25 e os 34 anos (18%).

Ao longo da semana, através de transmissões diárias logo após o Jornal da Noite, o programa foi descendo nas audiências. Na terça-feira, dia 5, alcançou um valor de 9,9% e no dia seguinte registou uma audiência média de apenas 9%. Na quinta-feira, 7 de Março, dia da transmissão do directo apresentado por Herman José e Marisa Cruz, as audiências subiram ligeiramente, para 10,1%.

Curiosa é a alteração do perfil do espectador: se por um lado se assistiu ao reforço das mulheres (60%) e da região do Interior (29%), confirmaram-se também alterações quanto ás classes sociais e á faixa etária. O Masterplan passou a ser visto maioritariamente pela classe D (36%) e pelos jovens dos 4 aos 14 anos (18%).

Na sexta-feira, dia 8, voltou a ser transmitido o resumo de 30 minutos com o que de mais importante se passou no dia anterior e as audiências voltaram a registar valores próximos dos 10%. Os números obtidos na primeira semana de transmissão do Masterplan não deixam antever, para já, grandes resultados, o que pode significar a terceira aposta falhada da estação de Carnaxide.

Mais ainda se tivermos em conta que, dias antes de “o grande mestre” ir para o ar, Francisco Balsemão afirmava que Masterplan iria ser o Big Brother de Carnaxide. Curiosamente, a primeira edição do “grande irmão” atingiu valores significativamente superiores: o programa de estreia (domingo) obteve uma audiência de 14,7%, enquanto na terça-feira seguinte — noite da primeira expulsão — o programa registou um valor de 15,2%. Números bem diferentes dos agora verificados.

Deixe aqui o seu comentário