Uma questão de moda

Por a 15 de Dezembro de 2000

Nos tempos que correm é difícil não escrever sobre internet. Em primeiro lugar, porque é o meio que está na “berra”. Em segundo, porque é uma área ainda recente sobre a qual se pode dizer tudo e especular sem correr riscos de engano, pela simples razão de que a verdade ainda está longe e, quando chegar, ninguém se lembrará das asneiras que foram ditas e/ou escritas. As opiniões expressas nos jornais são diversas e contraditórias. Mas o mais interessante é que se pode estudar os fenómenos em cima destes. Enquanto a febre da net nos Estados Unidos dá sinais de cansaço, com um número significativo de empresas em falência, em Portugal avança-se a passos largos para um caminho que para uns está nitidamente cheio de escolhos e para outros é um rio cheio de agradáveis surpresas. Não há meio termo. É um pouco á semelhança do que se passa na moda. A cada estação, tudo muda. Enquanto no Verão o tempo foi de sites, o Inverno não vai acabar sem todos terem um portal na internet. E os anúncios de novos portais sucedem-se em catadupa. O portal é que é bom, porque através deste pode ter-se acesso a imensa informação, fazer as ligações através de links e captar anunciantes para todas as páginas. Mas como nem tudo o que parece é, o portal pode levar o utilizador ao engano. E porque a informação abunda, pode chegar-se a muitos lados através de um só. Neste caso, a interactividade é importante, mas o utilizador corre o risco de se perder e as dot.com que querem mostrar os seus produtos podem não alcançar esse objectivo.

Mas também há quem não vá em modas. A SIC On Line aposta no site e frisa bem que não quer ser portal. Explica-o desta forma porque passa a informação pretendida e chega a quem quer chegar. É uma questão de postura perante a internet que pode ter custos na interactividade, ou talvez não. Se calhar até é a forma mais correcta. Ser simples, directo ao objectivo e curto na mensagem. É talvez a melhor aposta para quem, como a SIC, desde há muito mostrou que sabe comunicar. Talvez, quem sabe, os sites voltem a estar na moda no próximo Verão.

Deixe aqui o seu comentário