Um retalhista no mundo web

Por a 10 de Março de 2000

Rogério da Ponte é, desde o início de Fevereiro, director-geral da Tinta Invisível, empresa do universo Cofina. Com 35 anos e licenciado em Engenharia Química pelo Técnico, iniciou a sua actividade profissional há dez anos, como gestor de produto na Tecnodidática. Possuidor de uma pós-graduação em Gestão de Empresas, também pelo Técnico, e de um MBA em Gestão e Marketing pela UAL/UAMadrid, Rogério da Ponte esteve desde sempre ligado ao retalho. No seu percurso profissional, ingressou depois na Sonae Distribuição, onde esteve durante cinco anos. Aí assumiu a responsabilidade pela Mercearia Seca no departamento comercial da empresa. «Fiz a gestão de mais de 5 mil referências em termos de contratos com todas as empresas fornecedoras, que nessa época eram cerca de 200», recorda. Depois, decide integrar a Shell Portuguesa, onde em Janeiro de 1997 assumiu o cargo de director do Retalho de Conveniência da empresa. Uma função que englobava não só as lojas de conveniência como também os restaurantes, lavagens e estações de serviços da rede Shell, ou seja, um negócio de cerca de 12 milhões de contos. «A minha passagem pela Shell foi, até á data, o maior sucesso da minha carreira. Consegui colocar as lojas Select no Top 10 do ranking de distribuição alimentar», lembra. Adepto do ténis e do mergulho, Rogério da Ponte vê a Tinta Invisível como um grande desafio. Familiarizado com a net como mero utilizador, o agora director-geral da empresa espera utilizar os seus conhecimentos enquanto profissional ligada ao retalho. «Continuo a ter grande contacto com o consumidor, sé que agora uso uma nova tecnologia que coloca os consumidores em contacto com os produtores de forma diferente», explica. Segundo diz, «a Internet tem um potencial brutal em termos de desenvolvimento, quer dos produtos e serviços associados, quer do próprio canal». Foi esse potencial que levou Rogério da Ponte a aceitar o desafio. A experiência no retalho foi essencial para se aperceber da evolução das necessidades dos consumidores que, acredita, «vão passar pela internet. Quem acompanhar o início poderá ser aquele que mais sucesso tiver». Em termos de futuro, Rogério da Ponte espera que a Tinta Invisível «se mantenha líder dentro desta área de negócio», acrescentando que os caminhos a percorrer «serão em direcção á tecnologia WAP, comércio electrónico e a todos os outros serviços ligados á internet».

Deixe aqui o seu comentário