Cultura OMD chega a Portugal

Por a 29 de Outubro de 1999

A OMD quer ser líder no mercado nacional. Em volume de negócio e na qualidade dos serviços prestados

A OMD, marca de media do grupo Omnicom que em Janeiro próximo inicia a actividade no mercado nacional, tem como objectivo ser número um em Portugal. A holding OMD vai integrar duas unidades independentes – a Tempo OMD (nova designação da Tempomedia) e a Espaço OMD – e pretende liderar o mercado, «não só em termos de volume de negócio mas também no que respeita á qualidade dos serviços», salientou Viviane Prat, presidente e CEO da OMD Europa, na apresentação da holding á imprensa. «Há que pensar a OMD como uma cultura, o que passa pela formação das pessoas», frisou Viviane Prat. O sucesso advogado pela responsável resulta, como explica, da aposta em cinco vectores estratégicos: dimensão, recursos humanos, visão, pesquisa e comunicação. De um total de 21 mil milhões de dólares (cerca de 4 mil milhões de contos) investidos em media pelas empresas do grupo Omnicom até Abril deste ano, 12 mil milhões resultaram de operações da OMD, o que lhe confere a primeira posição no mundo e a segunda na Europa. No que respeita á pesquisa, Viviane Prat recorda que, este ano, «a OMD Europa investiu 20 milhões de dólares em pesquisa nas áreas de marketing de marca e marketing de media». Em todo o mundo, a OMD emprega 4.800 pessoas, 1.700 das quais na Europa. À semelhança do esquema adoptado na Grã-Bretanha e Alemanha, em Portugal, as empresas ligadas á OMD adicionam o nome da holding á sua denominação, pelo que a Tempomedia assume a designação Tempo OMD. Sob a sua alçada estão duas unidades de media distintas: a Tempomedia propriamente dita e uma segunda unidade independente, que deverá iniciar funções em Janeiro do ano 2000, data de arranque da OMD em Portugal. Dirigida pelo ex-Mediapolis João Carlos Silva, a Espaço OMD assume assim uma estrutura pensada para resolver o problema das contas conflituosas. A OMD é a operação de meios do grupo Omnicom Worldwide. As outras quatro operações são a BBDO, a DDB Needham e a TBWA, na área da criatividade, e a Consulting, na área da consultoria. Em Portugal, a BDDP (empresa que lá fora foi integrada na TBWA por ocasião da compra desta pelo grupo) continua em fase de negociações com a TBWA para que se encontre uma solução definitiva para o impasse que se arrasta desde o ano passado, e que é protagonizado por Pedro Brito, da Publinter/BDDP, e Botelho Moniz, da TBWA/EPG.

Deixe aqui o seu comentário